Dai crescendo, melhorando e sem anúncios, você em primeiro lugar

Cadastre-se para ter acesso a todos os recursos do site! !

Cadastre-se  

Necromante - Aprendiz #5

CAPÍTULO 4

CAPÍTULO 5

Stix abriu os olhos, seu corpo estava todo dolorido, suas costas sentiam algo fofo, a iluminação era fraca, tentou rolar para o lado, tudo doía, um barulho, palha quebrando, se fez com o seu movimento, de bruços colocou as mãos no chão e em uma flexão levantou seu corpo e se sentou, sua visão e reflexos estavam lentos, sua nova posição lhe deu a visão de uma parede de barro amarronzada, uma luz fraca entrava por uma janela, olhou para baixo e percebeu, estava sentado em um colchão de couro preenchido de palha, olhou para cima, um teto escuro com armação de madeira, coberto em palha.

  • O que… aconteceu ? Eu… estava na caça… E nós acertamos o cervo…. - A cabeça de Stix doía.
Stix ouviu passos lentos de longe da sala, era Ingrid, uma das anciãs da vila, Stix a olhou, uma senhora de estatura baixa e longos cabelos brancos e trançados, vestida com couro e penas de aves nos ombros, haviam desenhos coloridos  em sua roupa, Stix nunca havia conversado muito com ela, ela liderava eventos na vila e estava sempre rodeada de membros mais velhos, era uma senhora de difícil acesso. Sua voz envelhecida e suave passou pelos ouvidos de Stix.

  • Não deveria se mexer muito ainda… Seu corpo passou muito tempo parado.
  • Parado ? Não! Nós andamos por horas ainda hoje! Nós estávamos caçando, e algo aconteceu, eu lembro de Johan gritando…
  • Stix... Você está dormindo a cinco dias… - Ingrid fez uma pausa com a fala, chegando mais perto e olhando atentamente nos olhos de Stix. - Você sofreu um ataque terrível e quase perdeu seu braço… Não de se estranhar que esteja confuso. Além do mais--
  • Não! Meu braço está muito bem, eu já até usei ele hoje... Não há nada de errado com… ele… - Stix disse enquanto olhava seus braços, sua voz morrendo aos poucos ao ver a pele de carvalho escurecido. - O que.. que é isso ?
  • Calma garoto… Não vou conseguir te transferir nada enquanto não estiver acalmado. - Ingrid agora estava perto da luz, próxima a Stix, suas bochechas antigas e rosto bondoso agora apareciam a luz. - Respire profundamente, três vezes, olhe ao seu redor.
Stix, fez o que a anciã mandou, olhou em volta, é claro que estava na vila, aquela era uma das muitas casinhas de barro. Em seguida começou a passar a mão esquerda em sua braço direito, sentido a pele de carvalho, era rígida e áspera.  A anciã continuou.

  • Você foi atingido pelas garras de um grande urso preto, por pouco não foi um golpe fatal, mas seu braço ficou em frangalhos… Para salvar o seu braço, e… possivelmente a sua vida, o mestre de caça decidiu usar a seiva de Puglia para curar sua aflição… E bem… esse é o resultado… Você está vivo agora. - Ingrid fez uma pausa, abriu um sorriso terno e continuou - Você é muito amado, parece que a volta para vila foi cheia de perigos, mas eles te trouxeram de volta com vida… A garota, Johanna, veio ficar um pouco com você todos os dias, estava aqui até ontem, mas elas saiu em um grupo para outra caçada hoje.
  • Tudo isso aconteceu e eu fiquei apenas dormindo o caminho todo !? - Stix passou a olhar o chão, seus olhos se encheram de lágrimas - Eu preciso… eu preciso pedir desculpas a todos eles… Eu estraguei a caça toda, estraguei o treinamento, atrapalhei tudo! Fui um grande peso para todos eles! … - Agora Stix apertava seus braços, com a água salgada escorrendo pelo seu rosto.
A anciã se virou para uma pequena mesa de madeira, e voltou com um copo de madeira.
  • Beba, não pode gastar toda sua água com choro rapaz. - Stix agarrou o copo e ficou olhando para ele, sua boca estava ressecada - Você vai poder falar com eles quando eles voltarem… E não se preocupe, apesar de tudo, a caçada que fizeram foi um tanto farta e diferenciada.
Stix, pôs o copo à boca, água nunca foi tão deliciosa.
  • Aproveite esse dia para esticar o corpo, ande um pouco pela vila, vá comer algo no salão, beba mais água, você passou muito tempo parado, precisa se re acostumar a se mexer. Ah, amanhã, é a cerimônia de nascimento do filho de Alinca, o bebê nasceu ontem, bem e saudável, venha prestigiar a criança.
Stix tentou se levantar, os músculos das pernas estavam fracos, o equilíbrio foi um pouco difícil de manter, o coração começou a bater rapidamente, e ele se sentou na cama novamente.

  • Vá com calma. Agora, eu preciso cuidar de outros assuntos, você tem o dia todo para se reorganizar. - Ingrid falou, ao terminar foi se virando e indo em direção ao portal que dava acesso ao lado de fora.
  • Obrigado… Por tudo… - Stix, falou fixando a atenção na senhora que ia embora.
Ele pôde ver a expressão da anciã mudando, pelo lado do rosto, parecia um sorriso tímido. Não há uma pessoa no mundo que não goste de receber apreciação. Agora sozinho novamente, Stix tentou se levantar, dessa vez foi um pouco mais fácil, o coração ainda batia mais forte com ele em pé, e as pernas ainda estavam fracas, mas o equilíbrio veio desta vez. Ele andou até a janela, ao lado da cama de madeira, olhou para fora, respirando o ar puro, podia ver o rio a distância, as trilhas de terra entre as construções de barro, a uma certa distância havia uma construção maior, aquele era o salão, onde todos iam para comer, se passaram pelo menos dois minutos com Stix olhando e ele se cansou, sentou na beirada da janela e esperou um pouco. Após descansar ele se levantou e começou a caminhar para o portal. A luz do sol o atingiu no rosto, já não estava tão forte, devia ser próximo do final da tarde, ele começou a andar determinado, sua barriga doía, andando entre as casinhas de barro, perto das paredes, se escorando para descansar a cada dois minutos. Stix passou por uma área aberta onde haviam peles de animais secando, esticadas entre postes de madeira, ali havia um mestre e um aprendiz trabalhando nas peles, o mestre colocou os olhos em Stix e disse:

  • Parabéns por se levantar, estávamos todos preocupados.
  • Obrigado… Estou começando a ficar melhor. - Stix forçou um sorriso meio dolorido, unido a sua voz que falhava. - Estou indo para o salão…
  • Mas é claro! Continue! Depois passe aqui, fizemos um bom trabalho com a pele de urso!
  • A pele de urso?
  • Isso, a que vocês trouxeram… O que fez isso com você, Jorgen me contou tudo… Mas vocês levaram a melhor e agora vai poder usar essa vitória no corpo !
  • Ah, obrigado… Vou voltar aqui… Obrigado...
Stix continuou em seu caminho, em alguns minutos chegou no grande salão, era a maior construção da vila, havia três mesas compridas de madeira, cada  uma acompanhada de dois bancos compridos, nelas repousavam algumas cambucas e copos de madeira, um senhor sentado na ponta da mesa a direita se dirigiu a Stix.

  • Deve estar morrendo de fome hõhõ. Acho que nunca vi alguém dormir por tanto tempo HA HA!
  • Sim… 
  • Deixe que o velho Badum vai preparar uma refeição completa para você.
Dito isso o homem se levantou e se dirigiu para uma outra sala, no fundo do salão. Badum tinha uma grande barba branca e um cabelo branco armado e volumoso, encaracolando em torno das orelhas, assim como os outros da vila também vestia roupas de couro.
Stix se sentou no lado oposto da mesa direita, próximo a onde Badum estava sentado, ele parou e suspirou, ainda era difícil se manter em pé, talvez levasse dias até o corpo habituar com movimento. Logo Badum voltou com uma cambuca de carne salgada, outra com frutas variadas, mangas, banana e uvas, e um copo de água.

  • Vamos, coma tudo. - Disse ao colocar as coisas na mesa, com um sorriso abismal no rosto.
  • Você levou a melhor hein garoto.
  • Obrigado Badum… 
  • Agora vamos coma tudo, quero ver você firme e forte, logo vai voltar a fazer coisas. 
Stix começou a pegar pedaços de carne com as mãos.

  • Sabe garoto, eu também me acidentei numa caçada quando eu era da sua idade e então me colocaram para cuidar da comida, vivi minha vida inteira cuidando das pessoas aqui de Lynot, e vou te falar que foi o melhor que aconteceu na minha vida. - Stix comia lentamente, e desviava o olhar para Badum. - As caçadas podem ser emocionantes, mas também são bem desconfortáveis e perigosas. Eu posso ajudar as pessoas tanto quanto os caçadores estando aqui na vila. Olha como essa comida vai te fazer bem!
  • Eu ainda posso ser caçador… Bem… Agora não, agora estou fraco, mas logo me condiciono. - Stix engoliu para falar.
  • Claro garoto, não estou falando que não pode, afinal minha história é diferente da sua… Eu me machuquei na perna, e até hoje tenho problemas para andar, são histórias diferentes, histórias diferentes. - Repetiu um pouco como se pensasse consigo mesmo. - Vamos, coma. Vou voltar para cozinha.
Stix continuou seu banquete, bebeu sua água, Badum, um pouco afetado, voltou para a cozinha, logo o rapaz estava terminando sua refeição, se levantou e foi afora.
Ao invés de voltar para o local das peles, Stix apenas andou em direção a casinha de barro onde ele vivia com seu pai, seguindo por uma trilha diferente e se escorando pelas paredes da mesma maneira que foi para o salão. Ao chegar em sua casinha, ele passou pelo portal, direto para  sua cama, similar a cama na qual ele acordou nesse dia. Começava uma rotina de recuperação para Stix.

CAPITULO 6 




Animes Dai
Animes Online
Assistir e Discutir Animes